Crítica – “Thor: Ragnarock!” (sem spoilers)

Eu sou o deus do Trovão! Quem não esperou loucamente por esse momento nos filmes da Marvel? Imagino que não só eu, mas a maioria por aqui, não aprovou muito os primeiros filmes do Thor. Pois bem, tínhamos então uma necessidade à ser suprida. As aparições do Thor em ambos os Vingadores, foram melhores que as do seus próprios filmes. Então veio a notícia de que o diretor neozelandês Taika Waititi iria comandar o longa. A apreensão tomou conta dos fãs do herói. Taika até então era conhecido por seus filmes indies de comédia, e isso não iria mudar. Sim, e não mudou! “Thor: Ragnarock” foi anunciado como uma comédia. Nãoooooo! Calma. Isso não é de tudo ruim… O filme chegou, e chegou arrasando nas bilheterias. Tem sim algum excesso de piadas, porém, não são forçadas como em “Guardiões da Galáxia Vol 2”. A grande questão é que se você vai ao cinema pra se divertir, “Thor: Ragnarok” cumpre bem esse objetivo, consegue te entreter e tirar boas risadas. “Um bom ator é aquele que consegue fazer comédia”, com essa frase conhecida entre os cinéfilos podemos dizer que o nível de atuação de Chris Hemsworth melhorou muito em comparação com os dois primeiros filmes do Thor, mostrando que até um brutamontes pode ser engraçado. Mark Ruffalo e seu Bruce Banner não tem tanto tempo de tela e isso é uma pena, pois, nas poucas cenas em que aparece consegue marcar presença. O Hulk sim tem bastante participação no filme, mas não vou entrar nesse mérito, SEM SPOILERS! O verdão esmeralda é uma surpresa e tanto no filme, mesmo sabendo que ele foi colocado em cena pra chamar atenção e fazer marketing. Poder ter um gostinho de “Planeta Hulk” com certeza foi o que agradou à muitos fãs do herói.  Loki ficou um tanto quanto apagado no filme, e isso é uma pena! Tom Hiddleston interpreta o vilão/ anti-herói com maestria, nas poucas cenas memoráveis do personagem, nos faz lembrar o quanto amamos o deus da trapaça. Sinceramente fiquei torcendo pra ele trair o Thor, afinal, é isso que ele sempre faz rsrs. A Valquíria de Tessa Tompson pra mim foi uma personagem pouco trabalhada, não há muito pra se falar dela, apenas que cumpre o seu papel. Espero poder ver mais dela em “Guerra Infinita”. Quem rouba mesmo a cena é Jeff Goldblum! O Grão Mestre é excêntrico exagerado, e isso é maravilhoso! Seu personagem foi uma excelente adição ao universo Marvel, quero com certeza ver mais dele.  Agora vamos falar dela… Digo, Hela. A primeira vilã do MCU, Cate Blanchett nos mostra que mesmo tendo ganhado o Oscar sete vezes, consegue fazer uma megera cartunesca e divertida. A deusa da morte e provável futura namorada de Thanos, traz uma clássica bruxa má dos contos de fada. Mas, ao contrário dos demais vilões da Marvel, Hela não é uma vilã esquecível. Suas motivações fazem sentido e até nos faz dar à ela certa razão pra tudo aquilo. Por mais que muitos fãs tenham ficado irritados pela falta de fidelidade ao material original (qual filme da Marvel é fiel?), temos que admitir que “Thor: Ragnarock” é sim digno de levantar o mjölnir.

Nota: 4.5 / 5

PS: Você sabia que o gigante de pedra Korg foi interpretado pelo diretor do filme Taika Waititi?

%d blogueiros gostam disto: