Liga da Justiça | CRÍTICA – Sem Spoilers!

Eu poderia começar esse texto falando do quanto eu gosto dos heróis da DC, de quando eu assistia o desenho no SBT, e como esses personagens são importantes para mim. Mas garanto que não foi isso que você veio ler aqui, não é? Então vamos à crítica de verdade!

Superman faz muita falta no início, não só para a humanidade, mas para o enredo do filme, mas aceitamos isso, pois, nosso coração de fã acredita que sua aparição fará valer a espera. Diana é nesse longa uma Mulher Maravilha que está se restabelecendo no mundo dos homens, e que consegue surpreender o povo com sua garra ao protege-los. Gal Gadot traz perfeitamente com o mesmo folego o carisma que nos trouxe em seu filme solo. O que mais chamou a atenção nas diferenças de tom nesse filme para com os demais anteriores, foi Bruce Wayne. Bem Affleck traz praticamente um novo personagem! Completamente distinto do amargurado milionário órfão que vimos em Batman V Superman. O Batman de Liga da Justiça acredita na mudança, e acredita que pode fazer mais. Talvez por isso anda até mesmo com um senso de Humor mais apurado. Chegamos aqui no ponto chave. O senso de humor do filme! Para isso precisamos falar de dois personagens não menos importantes do filme – Flash e Aquaman. Quem é fã da DC assim como eu deve estar pensando que isso não é novidade nenhuma, afinal Barry Allen sempre teve um excêntrico senso de humor. Mas o que Ezra Miller faz com o personagem, consegue deixa-lo ainda melhor! Esse Flash está longe de se comparar com o da série de TV, aquele rapaz triste e choroso que precisa de discursos motivacionais para criar vontade. O Flash de Liga da Justiça é atrapalhado, fala o tempo inteiro e irrita todo mundo com suas criancices. Claro que isso não o faz menos importante na trama. Barry tem momentos de brilho (literalmente), e consegue trazer a essência do velocista escarlate. E o rei dos sete mares? Ano que vem Aquaman terá seu filme solo, e com certeza eu estarei esperando ansioso por isso! Jason Momoa manda muito bem na pele do personagem. Um herói que era piada para muitos, ganha facilmente o carinho do público com seu gênio ríspido e falastrão. Aquaman veio para mostrar que não serve apenas para falar com peixes!  Ciborg… Bom, talvez ele seja o personagem menos trabalhado desse filme. Ray Fisher é um bom ator, e dentro do que lhe foi apresentado, consegue nos trazer algo honesto. Ele é aquela clássica criatura que não consegue se encaixar no grupo porque se acha uma aberração. Senti uma grande parceria vindo entre ele e Barry Allen. Agora vamos abrir um espaço para falar dele. O patriota, o herói do povo – O Superman! Claro que não é surpresa pra ninguém que Henry Cavill estaria de volta na pele do filho de Krypton. A participação do Superman não é tão grande no filme, acho que isso não pode-se considerar spoiler. Mesmo assim a “pequena participação” dele, consegue ser maior e muito mais magnifica do que todas as outras dele nesse universo de filmes da DC. Não quero entrar aqui nesse mérito, mas o que posso dizer é que esse sim é o Superman que queríamos ver nos cinemas! O nosso herói patriota voltou com estilo, e nos faz agora desejar fortemente ver mais um filme solo, e o quanto antes. Em filmes de super-heróis estamos acostumados com vilões vazios e sem ambições definidas. E o Lobo da Estepe não é diferente! O antagonista é sim o ponto mais fraco do filme. Feito praticamente todo em CGI, o vilão não convence em nada com seu plano maléfico de dominar o mundo, e abusa do maior clichê de todos os clichês. O que eu menos queria mencionar nesse texto era a Marvel, me desculpe caro leitor! Mas isso é inevitável! Para falarmos sobre o tom do filme, temos que mencionar a casa das ideias. Em Liga da Justiça vemos o quanto a Warner bebeu na fonte desse universo já estabelecido. Como já mencionado, em “O Homem de Aço” e em “Batman V Superman”, vemos uma pegada completamente distinta do que vemos agora no filme da Liga. Joss Whedon trouxe sim referencias e estilos dos filmes que dirigiu na Marvel. Por isso Liga da Justiça traz um tom muito mais próximo de “Os Vingadores”. Isso não é de todo mal, pois, muitos estavam reclamando do tom “dark” nos filmes anteriores. A única coisa que pegou um pouco no meu calo foi ver o Batman fazendo tantas piadas… Terminarei meu texto sendo muito sincero com todos vocês. Não sou crítico profissional, e escrevo porque gosto. Por isso, assista o filme e tire suas próprias conclusões!

Achou que eu ia escrever tudo isso e não trazer nenhum spoilerzinho para os curiosos? ERROUUUUU!!! Spoilers abaixo por sua conta e risco!

. Não espere ouvir a música clássica da animação! Ela não toca em momento algum. Sim, isso é triste demais.

. Aquela cena do trailer que deixou todo mundo louco querendo saber com quem o Alfred falava. Bom… Ela nem sequer estava no filme! Foi cortada!!! O Lanterna Verde não aparece no filme.

. Tá… Um lanterna verde aparece, mas é numa batalha e em flashback de milhares de anos atrás.

. Talvez o pior de todos – O SUPERMAN NÃO VOLTA COM O UNIFORME NEGRO 🙁

Gostou da crítica? Deixa um comentário aqui no site ou lá na nossa página! Isso nos dá vontade de continuar trazendo conteúdo pra vocês…

Por: Alef Dias

Um comentário em “Liga da Justiça | CRÍTICA – Sem Spoilers!

  • 1 de dezembro de 2017 em 03:45
    Permalink

    Sem dúvidas as duas coisas mais tristes do filme, é o fato de não ter a abertura da animação, e nem o uniforme negro.
    Eeeeeentretanto pra mim até agora foi o melhor do ano.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: